15.11.07

Workshop sobre serviços educativos

A próxima aula de Problemáticas Actuais, do 4º EIC, conta com a presença da Equipa dos Serviços Educativos da Câmara Municipal de Loulé, que realizará um mini-workshop sobre serviços educativos em autarquias. A sessão decorre na 2ª, dia 19, entre as 14.30 e as 17.30h, na sala 94 e é aberta a alunos do 3º ano de Educação Social.

8.11.07

A ler

O discurso de António Nóvoa, reitor da Universidade de Lisboa, a propósito das questões prementes que se colocam ao ensino superior, feito na abertura do ano académico. Clicar aqui.

7.11.07

Lançamento de livro - AMI

Caros Amigos, Voluntários, e Conhecidos, da Fundação AMI:

A AMI convida, cada um de vós, para estarem presentes, na próxima quinta feira, dia 08/11/07, ás 18h30m, no Auditório da Biblioteca Municipal António Ramos Rosa, em Faro, para assistir ao lançamento do Livro "Gritos Contra a Indiferença", do Dr Fernando Nobre, com a presença do mesmo, e apresentação pelo Prof. Dr João Guerreiro (Reitor da Universidade do Algarve).

De novo, e sempre, contamos consigo, para se juntar a Nós, que tentamos, também com estes Eventos, fazer correr esta "Mensagem" : CONTRA A INDIFERENÇA, conseguida através da Solidariedade e Humanismo, que, ao longo dos seus 23 Anos de existência, esta Fundação, tem "semeado" por todo o Mundo, sobretudo através das suas Missões, e do desenvolvimento de técnicas e métodos de intervenção em situações de crise evolutivas.

Núcleo de Faro

31.10.07

Visitas de estudo do 4º EIC

O 4º ano de EIC está a realizar um conjunto de visitas de estudo a IPSS (Instituições Particulares de Solidariedade Social) do Algarve, no âmbito da disciplina de Problemáticas Actuais I. Depois da IPSS da Serra do Caldeirão, no Barranco do Velho, em Salir, e da ACASO (Acampamento Azul e Centro Social da Quinta do Brejo) em Olhão, em breve será a vez de outras estruturas sociais. A acompanhar aqui (clicar na palavra sublinhada).

12.10.07

Emprego

Centro Novas Oportunidades Sudoeste Vicentina
Recrutamento e Selecção de colaboradores
Até 12 de Outubro de 2007


Condições preferenciais:
a.. experiência/formação especializadas no domínio da educação e formação de adultos
b.. Disponibilidade de horário em período pós-laboral
c.. Disponibilidade para frequência de formação em Lisboa (2 dias)
d.. Disponibilidade para trabalhar em itinerância

Profissionais de RVCC
Licenciados na área das ciências sociais

Formadores
Com habilitação para a docência no ensino secundário para os grupos de recrutamento indicados:
a.. História (código 400)
b.. Filosofia (código 410)
c.. Economia e Contabilidade (código 430)
d.. Física e Química (código510)
e.. Biologia e Geologia (código520)
f.. Matemática (código 500)
g.. Português (código 300)
h.. Informática (código550) ou portadores de ECDL (Carta Europeia de Condução em Informática)

Os interessados deverão enviar, até dia 12 de Outubro, Currículo Vitae via correio:
Centro Novas Oportunidades Sudoeste Vicentina
A/C Aura Fraga
R. Direita, 13
8600-069 Bensafrim
ou de preferência por correio electrónico para:
aura.fraga@vicentina.org

24.6.07

En Sevilla II

Filipa Azevedo, Sara Liz e Sara Batista, apresentando comunicação na Mesa Redonda do seminário de que se fala ali em baixo:

En Sevilla

A delegação do curso no II seminário sobre estratégias participativas em Sevilla,
no Centro Cívico Las Sirenas.
[foto de Fifolitopa]

18.6.07

Workshop de Dança


Começou hoje, no Ginásio da ESE, mais um workshop organizado pela Associação D'Agir.
Para o início do próximo ano lectivo está já aprazado mais um, sobre Monitorização de campos e oficinas de férias.
Informa-te e inscreve-te na Associação, para obteres os devidos descontos.

17.6.07

Estágio Profissional em Silves

O Castelo de Sonhos, IPSS de Silves, precisa de um(a) estagiário(a) profissional na área da educação comunitária. Os interessados devem solicitar informações a Ana Cristina Pera (Email: apera@ualg.pt).
Apressem-se.
Adenda: o lugar já está preenchido.

15.6.07

Licenciatura em Educação Social

No blogue de Educação Social já podem ser consultados:
> Plano curricular do curso
> Plano de transição
(clicar nas palavras sublinhadas)

Qualquer dúvida deve ser esclarecida com a direcção do curso de EIC.

13.6.07

Seminário de Sevilha


O Instituto Paulo Freire de Espanha organiza o II Seminário: Estratégias Participativas e Educação de Pessoas Adultas, nos dias 20 e 21 de Junho, em Sevilha. O curso de EIC far-se-á representar por uma comitiva de alunos dos 4 anos e apresentará uma comunicação na Mesa Redonda: experiências de aprendizagem, no dia 21.
A partida da delegação será no dia 20 (4ª), pelas 7.30h, da porta da ESE. A chegada está prevista para as 22h do dia 21 (5ª).
Qualquer informação deve ser dirigida ao Email do professor Helder Raimundo.

Sítio do Núcleo Paulo Freire

O Núcleo do Algarve do Instituto Paulo Freire de Portugal já tem um sítio disponível na Net. Consulte aqui.

29.5.07

Educação Social

A direcção de curso criou um blogue para o nóvel curso de Educação Social (ES), que se iniciará no próximo ano lectivo na Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve. A partir de hoje todas as informações e assuntos relacionados com ES podem ser vistos aqui.

24.5.07

Conferência de Frei Bento Domingues

Hoje, pelas 14.30h., no anfiteatro da Escola Superior de Tecnologia, realiza-se mais uma conferência de problemáticas actuais. A entrada é livre. Não percas.

23.5.07

Iniciativa do Núcleo Paulo Freire


Uma actividade das alunas de Prática II (3º ano),
no Núcleo do Algarve do Instituto Paulo Freire

13.5.07

Iniciativas a não perder

Iniciativas das estagiárias do Núcleo do Algarve do Instituto Paulo Freire que não pode perder:


10.5.07

Faro Sénior na Semana Académica-last day

Hoje, é o último dia do Faro Sénior.
Não perca.

9.5.07

Actividades da Prática II - Mês de Maio e Junho de 2007

Centro Comunitário de Monte Gordo

- 05 de Maio – Campanha de Recolha de Sangue

- 31 de Maio – Visita ao Zoomarine

- 01 de Junho – Acção de sensibilização sobre alimentação saudável

- 06 de Junho – Passeio Pedestre pela mata de Monte Gordo e uma acção de sensibilização sobre Ambiente

- 12 de Junho – Exposição final da Prática


Centro Comunitário de Vale Silves

- Início de Maio – Visita ao Teatro Maria Vitória em Lisboa

- 02 de Maio – Visita ao Centro Comunitário de Monte Gordo

- 8 Maio – Visita ao Faro Sénior

- 01 de Junho – Festa de Encerramento / exposição final com passagem de modelos, teatro e fotografia

Grupo do Centro Comunitário da Horta da Areia

- 16 de Maio – Acção de sensibilização sobre higiene

- 23 de Maio – Acção de Sensibilização sobre saúde

- 30 de Maio – Acção de sensibilização sobre alimentação

Durante todo o mês de Maio vai haver a elaboração de um jornal.

- 05 de Junho – Festa de encerramento e uma exposição final do trabalho da prática


Grupo do Núcleo da Cruz Vermelha de Vila Real de Santo António

- 05 e 06 de Maio – Recolha de alimentos para o banco alimentar

- 11 de Maio – Acção de sensibilização sobre prevenção rodoviária para as escolas do 1º ciclo

- 15 de Maio - Desfile do dia da Terra

- 18 de Maio – Fórum de Cultura Urbana

- 20 de Maio – Graffitis, Painéis na praça principal de VRSA para pintar

- 25 de Maio – Concurso de Fotografia

- 26 de Maio – Oficina de Arte

- 02 de Junho – Feira das Trocas

- 03 de Junho - Peddy – Paper com as famílias imigrantes que fazem parte do CLAI

Agosto – Mundialito de Tiro ao Arco


Grupo da CPCJ de Faro

- 21 de Maio – Acção de Formação sobre Higiene Corporal na Escola de Pontes de Marchil

- 29 de Maio – Acção de Formação sobre as merendas, dirigidas aos pais

Durante todo o mês de Maio e Junho o grupo realizará intervenções domiciliárias e audições na comissão, juntamente com uma equipa técnica.

Apresentação do trabalho da Oficina

A Associação D'Agir convida-vos a assistir ao trabalho final
dos formandos da Oficina de Expressão Musical e Corporal
3ª feira, 15 Maio, 16.15h, na sala 55 da ESE

Faro Sénior na Semana Académica da UAlg


A Associação D'Agir está a organizar actividades no âmbito da iniciativa Faro Sénior, entre os dias 8 e 10 de Maio, no Largo de S. Francisco, em Faro. Leia aqui informação sobre o programa.

7.5.07

Encontro de Educação e Intervenção Comunitária

A turma do 4º ano de EIC organiza, nos dias 25, 26 e 27 de Maio,
um Encontro de Educação e Intervenção Comunitária,
na Ilha de Tavira, no Algarve.


O Encontro é aberto a todos os estudantes de EIC, assim como a todos os licenciados do curso, desde que este se iniciou no ano lectivo de 1994/95.
Esta iniciativa pretende estabelecer laços de cooperação e de coesão entre os educadores comunitários; bem como desenvolver um espírito de prática profissional solidária, a partir de um conjunto de iniciativas sociais, desportivas e culturais.
*
Para te informares e inscreveres, basta solicitar a ficha de inscrição para o endereço
comospesnaareia@gmail.com
ou telefonares para os números insertos no cartaz (clica para expandir o tamanho).
Podes ainda deixar um comentário neste blogue, solicitando a ficha de inscrição. Apressa-te e não faltes.

26.4.07

Educação de Adultos

Debate sobre perspectivas actuais da Educação de Adultos, entre dois especialistas de escolas diferentes


[Para ver CV de Alberto Melo, clicar aqui; para ver CV de Peter Mayo, clicar aqui]

Palestras de Educação

A NÃO PERDER

(se necessário clicar na imagem para expandir)

17.4.07

Reunião da Comissão de Curso

A Comissão de Curso de EIC vai reunir, na próxima quarta, 18 de Abril, pelas 14h na sala 94 da ESE. Para discussão estão agendados os seguintes pontos: informações sobre o curso de Educação Social; Encontro de Educadores e Interventores Comunitários de 2007. Todos os membros da Comissão de Curso estão a ser convocados nas aulas dos professores Helder Raimundo e Cláudia Luísa. Como é habitual a reunião é aberta a todos os alunos e docentes.

13.4.07

Oficina de expressão da D'Agir

Começa hoje às 14h na sala 55 da Escola Superior de Educação

Agora é só comprar


Abriu, em Faro, a Loja do Comércio Justo. Façam compras solidárias.

Conferência - Sociologia ao fim da tarde

Próxima conferência
Diferentes formas de ser mãe. A maternidade na adolescência
Profª. Doutora Filomena Gerardo
(Gabinete de Investigação e Desenvolvimento da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa)

Sexta-feira, 13 de Abril pelas 17:30
Sala de Actos da Faculdade de Economia da Universidade do Algarve (3º piso)
[ver aqui]

10.4.07

Oficina de expressão da D'Agir

Caros amigos, a Oficina de Expressão Musical e Corporal,
organizada pela associação D'Agir, começa hoje. A reunião e primeira hora de formação
decorre das 18 às 19 h. na sala 96 da Escola Superior de Educação.
Não faltes.

6.4.07

Blogue oficioso de EIC

Surpresa? Não tanto assim! Fartos de ver mexer, os alunos de EIC mexem-se também. Querem ver a surpresa, cliquem aqui.

3.4.07

Portal de Emprego

Na secção Parceiros, ali ao lado, foi colocado um link para o portal NetEmprego, do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, onde podem colocar currículos e efectuar procura de emprego.

Colóquio sobre Educação Social


O GRATO organiza, já no próximo dia 11 de Abril, em Portimão,
um Colóquio sobre "Educação e comportamentos de risco". Inscreve-te.

Clicar na imagem para ver em tamanho ampliado.

2.4.07

Concurso de Fotografia


[clicar na imagem para aumentar]

30.3.07

Notícia da conferência sobre educação de adultos

Notícia do jornal Postal do Algarve sobre a Conferência de Educação de Adultos, organizada pelo nosso curso no âmbito da Semana Aberta [clicar na imagem para ler a notícia]

Acesso ao curso de Educação Social dos maiores de 23 anos

Estão abertas, de 19 de Março a 30 de Abril, as inscrições para acesso ao curso de Educação Social dos maiores de 23 anos. Para além da prova de cultura geral os alunos deverão realizar uma prova de acesso na componente específica de "Sociologia". O programa da prova pode ser descarregado aqui. Para um exemplo de modelo de exame, consultar aqui.
Para mais informações consultar o site da Universidade do Algarve.
*
[nota: ali ao lado foi criada uma secção "Maiores de 23" com informações sobre este processo]

29.3.07

Oficina de Formação

[foto de fifolitopa]

Como sabem, a Associação D'Agir, em colaboração com o nosso curso, vai organizar uma Oficina de Expressão Musical e Corporal com o formador Rui Afonso. A oficina tem a duração de 25 horas e dá direito a certificado de participação. A reunião de apresentação é no dia 10 de Abril, às 18 horas na sala 96 da ESE. Apressa-te que as inscrições são limitadas. Para mais informações contactar por mail para cluisa@ualg.pt ou hraimund@ualg.pt

Banco Alimentar no Algarve


Todos os alunos interessados em inscrever-se como voluntários do "Banco Alimentar contra a fome no Algarve", devem comparecer na sessão de informação-formação que irá decorrer no Anfiteatro da Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo, no Campus da Penha, no sábado, dia 31 de Março, pelas 14.3oh, na qual estarão presentes os coordenadores dos grupos de trabalho. Até 5 de Maio são necessários 300 voluntários. Acrescenta o teu nome a esta lista.
[Em breve daremos informações mais detalhadas sobre este projecto de colaboração entre o curso de EIC e o Banco Alimentar do Algarve]

28.3.07

Ainda sobre a conferência de biografias de mulheres

O jornal Região Sul noticiou a conferência sobre biografias de mulheres organizada pelo nosso curso, no passado dia 8. Poderão ver a versão online aqui. Também o jornal Postal do Algarve publicou uma nota sobre o mesmo acontecimento que, em breve, aqui destacaremos.

23.3.07

Educação de Adultos em Portugal

A Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve (UALG) recebeu a conferência sobre “A Situação Actual da Educação de Adultos em Portugal”, inserida na Semana Aberta 2007.

A conferência teve início às 10:30 horas do dia 5 de Março, com o Anfiteatro Paulo Freire completamente cheio. A abertura da sessão coube ao Professor Hélder Raimundo, subdirector do Curso de Educação e Intervenção Comunitária (EIC), que organizou esta primeira conferência da Semana Aberta 2007. O Dr. Alberto Melo, orador desta conferência, leccionou na UALG de 1984 a 1992 e actualmente continua ligado à universidade, dada a sua ampla formação em Educação de Adultos. Este começou a sua intervenção explicando a complexidade deste conceito que referiu ser “muito difícil definir Educação de Adultos porque é resultante de processos sociais em mutação constante”. No entanto, a UNESCO encontra uma definição comum às diferentes sociedades ficando estipulado que “a educação de adultos tem uma componente pessoal, interrelações pessoais e formação como cidadãos”. Segundo o orador, quando é possível organizar debates dentro desta temática são estes os temas que normalmente são tratados.

O Dr. Alberto Melo prosseguiu o seu discurso referindo que “a educação moderna liga-se a um movimento das Escolas Superiores Populares na Dinamarca, no século XIX. Desde o início, o conceito moderno revela uma “tendência não institucional ligado a movimentos de pessoas insatisfeitas com a vida, sem emprego, que pretendem compreender o que se passa”. Em Portugal estes movimentos surgiram apenas no pós 25 de Abril de 1974 porque “não havia compatibilidade para esse termo em termos de léxico”.

A Educação de Adultos é importante, na medida em que oferece uma segunda oportunidade às pessoas que por determinado motivo não puderam prosseguir a sua formação ou mesmo iniciá-la. Segundo Alberto Melo, a “educação para adultos não é igual para os jovens, pois uma pessoa adulta tem menos possibilidade de tempo, sobretudo compromissos de trabalho. O adulto tem uma maneira diferente de encarar a aprendizagem, faz uma selecção imediata do que sabe que consegue e sabe que vai apreender ao invés de uma criança que não tem essa percepção”.

Numa sociedade como a actual, os adultos não podem parar de adquirir competências, conhecimentos, compreensão de fenómenos à sua volta. A aquisição de conhecimentos tem de acontecer sempre, de forma permanente, o que não implica uma “escolarização perpétua”. O Governo tem a missão de uma sociedade educadora de modo a transmitir ao indivíduo adulto que este tem de ser crítico e autónomo, de forma a criar uma melhor cidadania. Actualmente, a ANQ (Agência Nacional para a Qualificação) veio substituir os cursos da EFA (Educação e Formação de Adultos), sendo a coordenadora nacional da formação de adultos. Segundo Alberto Melo, prevê-se que em 2010 haja cerca de 1 milhão de adultos em formação. Quanto ao futuro, o orador receia que a multiplicação dos centros de formação originem uma aprendizagem voltada para a competição, onde “haverá vencidos e vencedores”, pois o que se pretende é uma aprendizagem baseada na cooperação para que todos sejam vencedores.

No período aberto a perguntas do público as dúvidas centraram-se na carência de pessoas habilitadas a dar formação para adultos.

Alberto Melo finaliza a sua intervenção lançando a proposta de um encontro ou congresso de estudo a nível nacional, organizado pelos responsáveis do curso de EIC, para uma troca de experiências que permitam a investigação dos interessados nesta matéria, já que no Algarve há uma aposta na formação de formadores de adultos.

[Ana Fernandes e Filipe Pascoal, curso de Ciências da Comunicação]

As palavras dos alunos

A propósito da visita que as turmas do 3º e 4º anos realizaram, no passado dia 13 de Março, à UTL ( Universidade de Tempos Livres) em Vila Real de Sto. António, a Fernanda, do 4º ano, escreveu um pequeno texto e deixou um poema que podem ler aqui.

20.3.07

Estudos sobre mulheres




No âmbito da conferência sobre Biografias de Mulheres, realizada no passado dia 8 de Março, as convidadas presentes ofertaram à Biblioteca da Escola Superior de Educação, 3 obras importantes sobre estudos de mulheres: uma biografia da jornalista Maria Lamas e um catálogo sobre 101 livros das mulheres do século XX, ambos da responsabilidade da também jornalista e militante feminista Maria Antónia Fiadeiro; e um ensaio profundo sobre as imagens da mulher, reflectidas na imprensa feminina oitocentista, em Portugal, da autoria da Ana Costa Lopes, doutorada em Língua e Cultura Portuguesa.
As três obras estarão disponíveis, em breve, na biblioteca da ESE.
[A direcção de curso]

16.3.07

O que é um passeio freiriano?


Avifauna no "Trilho dos Passarinhos", na Quinta do Lago: corvo-marinho de crista, patos-reais e galeirões; a galinha sultana estava escondida. Ao sol de domingo, 11 de Março, pela manhã, no passeio organizado pelo Núcleo do Algarve do Instituto Paulo Freire [foto de Deanna Raimundo-Direitos Reservados]

14.3.07

"Educação Social", aprovado

Já todos os alunos o saberão. De qualquer modo, aqui fica o registo para quem nos lê. A candidatura, que submetemos ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior/Direcção Geral do Ensino Superior, com vista à adequação do curso de EIC para o curso de Educação Social, foi aprovada sem qualquer pedido de alteração. Altura para deixar os agradecimentos a todos os docentes, alunos e funcionários que trabalharam no processo, e que obteve este resultado. Também sabemos que o principal trabalho está, agora, a chegar. E, por isso, contaremos com todos, como sempre.
*
[A coordenação do Grupo Disciplinar de Sociologia/A direcção do curso de EIC]

Imagens para apreciar



Imagens da conferência do dia 8 de Março, sobre biografias de mulheres, organizada pelo curso de Educação e Intervenção Comunitária. Parabéns a todos os alunos que contribuiram para o evento.
As fotos são da Clara Moreira, do 3º ano.

6.3.07

Conferência: Dia da Mulher


A não perder a conferência sobre vidas de mulheres,
apresentadas por investigadoras da Universidade Aberta.
Dia 8 (5ª feira) a partir das 16h
no anfiteatro Paulo Freire, da Escola Superior de Educação.
Ver programa completo no cartaz acima
(clicar para ver em tamanho maior)

SEMANA ABERTA

(clicar na foto para ver em pormenor)
Estamos na sala 94

2.3.07

A não perder

Campus da Penha
CONFERÊNCIA
2ª feira > 5 de Março > 10h30

A situação actual da Educação de Adultos em Portugal

A educação de adultos: evolução, constrangimentos e relevância no contexto actual da sociedade portuguesa.

Duração: 90'
Nº de participantes: 60
Local: ESE - Anf. Paulo Freire
Orador: Dr. Alberto Melo / UALG
Público: Alunos, público em geral
Organização: ESE - Curso de Educação e Intervenção Comunitária [ver aqui]

1.3.07

Acesso ao curso de Educação Social dos maiores de 23 anos

Curso: Licenciatura em Educação Social
Componente Específica: Sociologia

Duração: 2 horas

  1. A Sociologia como Ciência Social

1.1. Qual o objecto de estudo da Sociologia? (1 valor)

1.2. «A toxicodependência é hoje um grave problema social». Comente, atendendo à noção de facto social. (1,5 valores)

1.3. Identifique um facto social concreto e procure demonstrar de uma forma sucinta a sua exterioridade e relatividade. (1,5 valores)

  1. Cultura e padrões de cultura

2.1. Defina os conceitos de cultura, padrão cultural e etnocentrismo cultural. (3 valores)

2.2. «São as diferentes culturas que tornam diferentes os indivíduos». Comente a afirmação. (1,5 valores).

  1. A socialização

3.1. Defina o conceito de socialização. (1 valor)

3.2. A socialização exige, sempre, dois tipos de entidades. Explicite-os. (1,5 valores)

  1. Reprodução e mudança social

4.1. «A escola, a família, a igreja, os mass media são poderosos agentes de socialização». Concorda com esta ideia? Justifique. (2 valores)

4.2. Relacione as ideologias com a reprodução e a mudança social. Apresente a sua opinião. (2 valores)

  1. Tema transversal

5.1. «O homem projecta-se criando. Estabelece condições para a sua própria evolução quer no plano pessoal quer no plano colectivo. Produz a cultura, mas é também produzido por ela. O progresso forja-se nesta dialéctica, movimento que leva da acção ao saber e do saber à acção» (Maria Luísa Guerra, Temas de Filosofia, 1980).
Comente a afirmação anterior, de forma desenvolvida. (5 valores)


Cotações:

  1. = 4 valores
  2. = 4,5 valores
  3. = 2,5 valores
  4. = 4 valores
  5. = 5 valores > Total = 20 valores

Acesso ao ensino superior dos maiores de 23 anos

Componente específica da prova de ingresso
SOCIOLOGIA

  1. Introdução ao Estudo da Sociologia

1.1. As Ciências Sociais no Mundo Contemporâneo

1.2. A Sociologia como Ciência Social

1.3. O Método na Sociologia

  1. O Funcionamento das Sociedades

2.1. Os Elementos Primários da Vida Social

2.2. Cultura e Padrões de Cultura

2.3. A Socialização

  1. Reprodução e Mudança social

3.1. O Papel da Socialização na Mudança Social

3.2. As Instituições Sociais e a Reprodução Social

3.3. A Mudança Social

  1. Métodos da Sociologia

4.1. Problemas de Epistemologia

4.2. Técnicas de Pesquisa Sociológica

4.3. Estudo de Um Caso

Bibliografia de Apoio:
Almeida, J. F. (coord.) (1994). Introdução à Sociologia. Lisboa: Universidade Aberta.
Costa, A. F. (1992). Sociologia. Lisboa: Difusão Cultural.
Giddens, A. (1997). Sociologia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
Oliveira, M.L. & outros (2001). Sociologia – 12º ano. Lisboa: Texto Editora.
Worsley, P. (1983). Introdução à Sociologia. Lisboa: Dom Quixote.

Faro, 19 de Março de 2007.

27.2.07

Reunião sobre a Semana Aberta (alteração)

Convocam-se todos os alunos que se inscreveram na organização da Semana Aberta para uma reunião da Comissão na 4ª, dia 28 de Fevereiro, pelas 14.30h, na sala 94 da ESE. A reunião destina-se a preparar as tarefas do curso de EIC nas iniciativas já programadas. Como habitual, a reunião é aberta a todos os docentes e alunos que queiram participar.
*
O Subdirector de Curso.

26.2.07

3º EIC- Programa da Prática II

I – Definição e fundamentação
As Práticas do Curso de Educação e Intervenção Comunitária constituem um conjunto de actividades, de natureza prática, a realizar em Instituições, ou Projectos ou Comunidades reconhecidas pela Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve, como entidades habilitadas para o efeito, com as quais se celebrou protocolos de cooperação. As Práticas têm a supervisão dos/as professores/as que leccionam a disciplina e de um tutor/a de uma entidade onde estas se realizam.
Os princípios estruturantes da Prática assentam na perspectiva de Educação Comunitária de Paulo Freire. Esta perspectiva preconiza uma participação activa da população com que se trabalha tendo em vista a sua conscientização e a elevação da qualidade de vida. O desenvolvimento das Práticas na Instituição/Comunidade/Projecto realiza-se através da procura conjunta de estratégias de acção que potenciem as motivações e interesses da população. Assim, o desenvolvimento das Práticas procura ser coerente com o perfil de profissional que o Curso de Educação e Intervenção Comunitária pretende formar. Isto implica que no seu desenvolvimento se considerem os seguintes aspectos:
1. A amplitude e a diversidade dos âmbitos de intervenção do Educador/Animador Comunitário exigem a formação de profissionais polivalentes, aptos a trabalhar com jovens e pessoas adultas de diferentes grupos sociais em contextos diversificados. Tendo em consideração este aspecto, procurar-se-á promover momentos de comunicação, reflexão e troca de experiências entre os/as alunos/as, de forma a enriquecer o percurso formativo individual através do contacto com o trabalho realizado pelos outros/as colegas.
2. Frequentemente, o Educador/Animador Comunitário tem que trabalhar em equipas multidisciplinares. Por esta razão, paralelamente ao domínio de conhecimentos teóricos, de metodologias e de técnicas necessárias ao desempenho desta actividade, o profissional, deverá ter, na sua formação, preparação na área do trabalho de grupo. Este aspecto justifica o facto de se privilegiar a prática em grupo.
3. No âmbito da Educação e Intervenção Comunitária é frequente a dificuldade de gerir a escassez de recursos, identificar as necessidades reais das populações e avaliar os projectos, etc. Este conjunto de aspectos explica o estímulo que gradualmente deve ser dado aos estudantes, futuros Educadores e Interventores Comunitários, na construção da sua autonomia e no pôr em prática as suas iniciativas.

Tendo em consideração os pressupostos referidos, definem-se como linhas gerais para o desenvolvimento das Práticas do Curso de Educação e Intervenção Comunitária evoluir do mais simples para o mais complexo e do mais genérico para o mais específico.

II – Objectivos
1 – Gerais
-Conhecer a realidade profissional do Educador Comunitário nos diferentes âmbitos de intervenção.
-Compreender a especificidade de cada Instituição/Comunidade/Projecto.
-Analisar, numa perspectiva crítica, as práticas realizadas, com o objectivo de melhorar a inserção e o futuro desenvolvimento profissional.
2 - Específicos
-Aplicar e desenvolver o projecto com a população.
-Estimular o envolvimento e a participação constantes da população alvo.
-Aplicar os conhecimentos e técnicas aprendidas no currículo do curso.
-Desenvolver competências de reflexão individual e de grupo sobre o trabalho realizado.
-Acompanhar e avaliar o projecto.

III – Organização das Práticas
a) Enquadramento
- A Prática II realiza-se ao longo do 2º semestre, com a carga horária semanal de 15 horas, preferencialmente à 5ª e 6ª feira.
- Decorrem no mesmo espaço onde os grupos realizaram a Prática I.
- Os grupos são supervisionados por um/a professor/a da Prática.
- Nas Instituições os alunos são supervisionados por um/a tutor/a
b) Actividades a Desenvolver e seu Faseamento
1ª Etapa
-Elaborar a versão final do Projecto de Intervenção
-Realizar as actividades decorrentes do Projecto
-Acompanhar e avaliar o Projecto.
2ª Etapa
-Autoavaliar o trabalho desenvolvido.
-Elaborar um poster para apresentar na penúltima semana de aulas.
-Redigir em grupo o relatório final da Prática, até 40 páginas (letra Times; tamanho 12; 1,5 espaços). O Relatório, a entregar no final do semestre, deve incluir:
- Uma síntese descritiva das actividades realizadas por cada um dos alunos, objectivos atingidos, estratégias, recursos, obstáculos...
- Uma avaliação diagnóstica (avaliação do contexto: identificação das necessidades e potencialidades tendo em vista o projecto desenvolvido);
- Avaliação do processo (consideração das várias etapas do projecto e do trabalho desenvolvido);
- Avaliação dos resultados (análise de todos os momentos de avaliação realizada ao longo do projecto);
- Reflexão individual sobre as Práticas tendo em conta:
1- A dimensão pessoal (conforto, desconforto, motivação, desmotivação, segurança, insegurança); 2- em que medida a actividade desenvolvida respondeu adequadamente às suas necessidades educativas, a que atribuiu maior e/ou menor significado, o que gostou mais e gostou menos; 3- Relação professor-aluno, aluno-aluno, tutor-aluno, relação com outros elementos da Instituição, colaboração entre colegas, participação nas actividades em grupo, partilha de saberes; 4- Utilização de novas experiências, novas metodologias.

IV – Supervisão e calendarização das Práticas
Ao longo do 2º semestre deverá procurar-se estabelecer uma articulação entre a disciplina de Práticas II e a disciplina de Seminário de Enquadramento das Práticas.
O Supervisor/a deverá observar pelo menos duas actividades realizadas por cada grupo.
Ao longo do semestre observar-se-ão reuniões de reflexão e de supervisão entre os grupos de práticas e o/a seu/sua professor/a:
-Quinzenalmente com todos os grupos orientados por cada um dos professores do Curso;
-Quinzenalmente reuniões individuais que ocorrerão na ESE e/ou no espaço de Práticas.

V – Avaliação
A média das Práticas II consistirá na avaliação dos seguintes elementos, de acordo com as ponderações apresentadas:
1. Participação nas reuniões de supervisão – 15%
2. Relatório das Práticas – 30 %.
3. Reflexão individual – 10%
4. Ficha de avaliação (a preencher pelos/as supervisores/as das Práticas) – 30%.
5. Poster – 15%

VI – Bibliografia
A bibliografia de suporte à Prática encontra-se incluída no Programa de Seminário de Supervisão da Prática II

(O Coordenador da Prática)

4º EIC-Programa de Seminário de Investigação

I – Introdução
A disciplina de Seminário de Investigação tem como principal objectivo proporcionar a construção de novos conhecimentos e o desenvolvimento de novas competências que permitam aos alunos realizar um trabalho de investigação.
As actividades a desenvolver no 2º Semestre deverão ser orientadas no sentido da resolução de problemas, numa tentativa de averiguar, indagar e procurar respostas às diversas questões com que os alunos se confrontam. Assim, durante as aulas de Seminário procurar-se-á aprofundar tais questões de uma forma realista, de modo a ajudar a que compreendam e executem as tarefas necessárias para realizarem com sucesso o trabalho de investigação.
Neste contexto o trabalho realizado ao longo da disciplina de Seminário de Investigação deverá privilegiar o tratamento de processos de participação, comunicação, tomada de consciência dos problemas e a assunção de responsabilidades, no sentido de permitir que os alunos aprendam a conhecer e a intervir melhor sobre o objecto de estudo. Neste processo de investigação os alunos deverão ser capazes de integrar todos os conhecimentos adquiridos, no Curso, nos anos anteriores.
O Seminário de Investigação tem uma carga horária de 4 horas semanais.

II – Objectivos
1- Desenvolver nos (as) futuros (as) profissionais em Educação e Intervenção Comunitária um capital prático de aplicação do conjunto de elementos do quadro teórico e metodológico, apreendidos ao longo do curso.
2- Construir novas competências investigativas.
3- Promover a capacidade de questionamento, observação e reflexão.
4- Compreender o processo de realização de um trabalho de investigação no âmbito da educação e intervenção comunitária.
5- Dotar o(a) aluno(a) com a capacidade de realizar abordagens diversificadas em contextos de educação/intervenção, operando em simultâneo uma pesquisa aprofundada da realidade social.

III – Conteúdos
1. Normas formais de trabalhos de investigação.
2. Investigação qualitativa.
3. Estudos de caso.
4. Histórias de Vida
5. Abordagens biográficas.
6. Estudos de observação.
7. Análise de dados.
8. Redacção da investigação.
(Nota: outros conteúdos serão abordados de acordo com as necessidades expressas pelos alunos).

IV – Metodologia
A disciplina de Seminário de Investigação funciona, semanalmente, com uma carga horária de 4 horas lectivas. O funcionamento do Seminário será assegurado pelos docentes António Fragoso, Hélder Raimundo e Joaquim do Arco, com o apoio da docente Cláudia Luísa. Ao longo do semestre desenvolver-se-ão diferentes actividades com recurso a estratégias diferenciadas, tendo por base um processo de ensino/aprendizagem de cariz construtivista. Daí que se privilegiem as metodologias dialógicas e participativas. Os trabalhos a realizar na sala de aula têm por principal finalidade ajudar à realização da investigação.
O Trabalho de Investigação poderá ser efectuado sob a forma de trabalho individual ou trabalho de grupo de alunos. Os alunos/grupos serão distribuídos pelo conjunto dos docentes do Grupo Disciplinar de Sociologia, sendo que a orientação de todo o processo de desenvolvimento do trabalho de cada aluno, ou grupo, será acompanhado sempre pelo mesmo orientador. Cada aluno ou grupo deverá reunir regularmente com o seu respectivo orientador, em moldes mutuamente acordados.
No final do semestre os alunos/grupos deverão entregar dois exemplares do trabalho de investigação em suporte de papel (encadernado). O trabalho final será avaliado pelo orientador e por um arguente (docente do Curso); posteriormente haverá uma discussão oral do trabalho que terá uma duração aproximada de 30 minutos: 15 minutos para apresentação e 15 minutos para discussão.

V – Actividades
As sessões de orientação decorrem de acordo com o estabelecido entre os docentes orientadores e os alunos.

O calendário de apresentação, em turma, dos capítulos que constituem o trabalho de investigação, decorre nas seguintes datas (sempre à 2ª feira, das 14 às 18h na sala 96):
19 de Março: capítulo de Enquadramento teórico;
16 de Abril: capítulo de Metodologia;
21 de Maio: capítulo de Análise de dados;
4 de Junho: capítulo de Conclusões.

A entrega do trabalho deve ser feita até ao dia 18 de Junho.

VI – Avaliação
Face às características da disciplina de Seminário de Investigação, a avaliação deverá ser contínua e constituir-se como um processo construtivo, que assuma um papel decisivo no processo de ensino/aprendizagem, privilegiando o domínio dos conhecimentos, das atitudes e valores e das capacidades.
A classificação final da disciplina de Seminário de Investigação deverá assumir um carácter global, depois de analisados e ponderados os resultados obtidos a partir de: por um lado, da observação pontual e intuitiva do empenhamento revelado pelos alunos nas tarefas, na capacidade de comunicação, de cooperação com os colegas, na aplicação de conhecimentos e da participação nos debates e discussões; e, por outro lado, da avaliação do produto final e da discussão do trabalho.
Assim, a avaliação compreenderá os seguintes parâmetros:
1. Avaliação do desempenho demonstrado ao longo do trabalho de investigação, realizada pelo Orientador. Valor (25%);
2. Avaliação do trabalho final de investigação, realizada por um Arguente. Valor (40%);
3. Avaliação da discussão oral do trabalho de investigação, realizada pelo Arguente e pelo Orientador. Valor (35%).
(Nota: Esta discussão deverá ter um sentido fundamentalmente pedagógico).

Bibliografia

Albarello, L. et al (1997). Práticas e Métodos de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva.
Almeida, J. F. & Pinto, J. M. (1982). A Investigação nas Ciências Sociais. Lisboa: Editorial Presença.
Alonso, M.S. (2000). La Participatión. Metodologia y Práctica. Madrid: Editorial Popular.
Ander-Egg, E. (1984). Metodologia y Pratica de la Animacion Sociocultural. Buenos Aires: Editorial Humanitas.
Anguera, M.T. (1989). Metodologia de la Observacion en las Ciencias Humanas. Madrid: Cátedra.
Bardin, L. (2000). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.
Barreiro, J. (1978). Educação popular e processo de consciencialização. Lisboa: Livros Horizonte.
Bell, J. (1997). Como Realizar um Projecto de Investigação. Lisboa: Gradiva.
Brandão, C. (1984). Educação Popular. São Paulo: Editora Brasiliense.
Bogdan, R & Biklen, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Uma Introdução à Teoria e aos Métodos. Porto: Porto Editora.
Burgess, R. (1997). A Pesquisa de Terreno. Uma Introdução. Oeiras: Celta Editora.
Carmo, H. (1999a). A Actualidade do Desenvolvimento Comunitário como Estratégia de Intervenção Social. In José Ornelas e Suzana Maria (Org.). Actas da 1ª Conferência “Desenvolvimento Comunitário e Saúde Mental. Lisboa: ISPA.
Carmo, H. (1999b). Desenvolvimento Comunitário. Lisboa: Universidade Aberta.
Carneiro, M. A. (1985). Educação Comunitária: Faces e Formas. Petrópolis: Vozes.
Carolino, J. (1995). Educação comunitária: contribuições para um processo de desenvolvimento participado, in a Rede para o Desenvolvimento Local, nº 13. Faro: In Loco, 26/7.
Cohen, L. & Manion, L. (1990). Métodos de Investigación Educativa. Madrid: Editorial La Muralla.
Damas, M. J. & Ketele, J.M. (1985). Observar para Avaliar. Coimbra: Almedina.
Denzin, Norman & Lincoln, Yvonna (1994). Entering the Field of Qualitative Research, in Norman Denzin & Yvonna Lincoln (Edits.) (1994). Handbook of Qualitative Research. London: Sage Publications, 1-17.
Deshaies, B. (1997). Metodologia de Investigação em Ciências Humanas. Lisboa: Instituto Piaget.
Diéguez, A. et al. (1998). Promoción Social Comunitaria. Buenos Aires: Espacio Editorial.
Diéguez, A. (Coord.) (2000). La intervención comunitaria - experiencias y reflexiones. Buenos Aires: Espacio Editorial.
Eco, U. (1984). Como se faz uma tese em Ciências Humanas. Lisboa: Editorial Presença.
Erasmie, T. (1983). Introdução ao Trabalho de Investigação e Desenvolvimento em Educação de Adultos. Braga: Universidade do Minho.
Estrela, A. (1986). Teoria e Prática de Observação de Classes. Uma Estratégia de Formação de Professores. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica.
Ferrarotti, F. (1993) Sociologia. Lisboa: Teorema.
Freire, P. (1989). Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.
Freire, P. (1997). Pedagogia da Autonomia. Saberes Necessários à Prática Educativa. São Paulo: Paz e Terra.
Freire, P. (2002). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Freire, Paulo & Nogueira, Adriano (1989). Que Fazer. Teoria e Prática em Educação Popular. Petrópolis: Editora Vozes.
Foody, W. (1996). Como Perguntar. Teoria e Prática de Construção de Perguntas em Entrevistas e Questionários. Oeiras: Celta.
Ghiglione, R. & Matalon, B. (1993). O Inquérito – Teoria e Prática. Lisboa: Celta Editora.
Gomm, R., Hammersley, M., & Foster, P. (2000). Case Study and Generalization. In Roger Gomm, Martyn Hammersley & Peter Foster (eds.), Case Study Method. Key Issues, Key Texts (pp. 98-115). London: Sage Publications.
Gonçalves, J. A. (1997). A Abordagem Biográfica: Questões de Método, em Métodos e Técnicas de Investigação Científica em Educação, Actas do VII Colóquio Nacional da Secção Portuguesa da AIPELF / AFIRSE. Lisboa: Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Lisboa, 91-114.
Guerra, I.C. (2000). Fundamentos e Processos de uma Sociologia de Acção. O Planeamento em Ciências Sociais. Lisboa: Principia.
Hoven, R. & Nunes, M.H. (1996). Trabalho Comunitário e Contextos de Acção. In Hoven, R. & Nunes, M.H. (Org.). Desenvolvimento e Acção Local. Lisboa: Edições Fim de Século.
Josso, M-C. (2002). Experiências de vida e formação. Lisboa: Educa.
Lessard-Hébert, M., Goyette, G. & Boutin, G. (1994). Investigação Qualitativa. Fundamentos e Práticas. Lisboa: Instituto Piaget.
Lessard-Hébert, M. (1996). Pesquisa em Educação. Lisboa: Instituto Piaget.
Lima, M. P. (1981). Inquérito Sociológico. Problemas de metodologia. Lisboa: Editorial Presença.
Lincoln, Y. S., & Guba, E. G. (2000). The Only Generalization is: There is No Generalization. In Roger Gomm, Martyn Hammersley & Peter Foster (eds.), Case Study Method. Key Issues, Key Texts (pp. 27-44). London: Sage Publications.
Lucio-Villegas, E. (1993). La Investigation Participativa en Educación de Personas Adultas. La Construcción de un Saber Colectivo. Sevilha: SPS-CAPP-KRONOS.
Melo, A. & Benavente, A. (1978). Educação Popular: 1974-1976. Lisboa: Livros Horizonte.
Merriam, S. B. (1988). Case Study Research in Education: A Qualitative Approach. San Francisco: Jossey-Bass.
Merriam, S. B. (1998). Qualitative Research and Case Study Applications in Education. San Francisco: Jossey-Bass.
Mitchell, J. C. (2000). Case and Situation Analysis. In Roger Gomm, Martyn Hammersley & Peter Foster (eds.), Case Study Method. Key Issues, Key Texts (pp. 165-186). London: Sage Publications.
Ornelas, J. H. (1999). A Formação Necessária para uma Intervenção Comunitária Consistente. In José Ornelas & Suzana Maria (Org.). Actas da 1ª Conferência Desenvolvimento Comunitário e Saúde Mental. Lisboa: ISPA.
Patton, M. Q. (1990). Qualitative Evaluation and Research Methods. Newbury Park: Sage Publications.
Payne, M. (2002). Teoria do Trabalho Social Moderno. Coimbra: Editora Quarteto.
Peretz, H. (2000). Métodos em Sociologia. Para começar. Lisboa: Temas e Debates.
Pérez Serrano, G. (1994a). Investigación Cualitativa. Retos e Interrogantes. I. Métodos. Madrid: La Muralla.
Pérez Serrano, G. (1994b). Investigación Cualitativa. Retos e Interrogantes. II. Técnicas y Análisis de Datos. Madrid: La Muralla.
Pineau, Gaston (1999). Experiências de aprendizagem e histórias de vida inCarré, P. et al. (coord.) Tratado das Ciências e das Técnicas de Formação.Lisboa: Instituto Piaget.
Platt, J. (1988). What Can Case Studies Do?. In Robert G. Burgess (ed.), Studies in Qualitative Methodology (pp. 1-21). London: JAI Press.
Poirier, J. et al. (1999). Histórias de Vida. Oeiras: Celta.
Quintana Cabanas, J.M. (1986). Investigación Participativa. Educación de Adultos. Madrid: Narcea.
Quintana Cabanas, J.M. (1994). Pedagogia Social. Madrid: Dyksion.
Quivy, R. & Campenhoudt, L. (1998). Manual de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva.
Sánchez, A.M. & Ochoa, G.M. (1995). El Estudio de Casos para Professionales de la Acción Social. Madrid: Narcea.
Silva, A. S. (1990). Educação de Adultos, Educação para o Desenvolvimento. Porto: ASA.
Silva, A. S. & Pinto, J. M. (Orgs.) (1999). Metodologia das Ciências Sociais. Porto: Edições Afrontamento.
Silva, J. M. (Org.) (1996). Educação Comunitária: Estudos e Propostas. São Paulo: Editora SENAE.
Sirvent, M. T. (1984). A educação comunitária, in Sirvent (Org.) Educação comunitária – a Experiência do Espírito Santo. S. Paulo: Editora Brasiliense, 34-50.
Stake, R. E. (1998a). Investigación con estudio de casos. Madrid: Morata.
Stake, R. E. (1998b). Case Studies. In Norman K. Denzin & Yvonna Lincoln (eds.), Strategies of Qualitative Inquiry (pp. 86-109). Thousand Oaks: Sage Publications.
Stake, R. E. (2000). The Case Study Method in Social Inquiry. In Roger Gomm, Martyn Hammersley & Peter Foster (eds.), Case Study Method. Key Issues, Key Texts (pp. 19-26). London: Sage Publications.
Sturman, A. (1997). Case Study Methods. In John P. Keeves (ed.), Educational Research, Methodology and Measurment: An International Handobook, (pp. 61-66). Cambridge: Pergamon.
Vários (1995). Animação Comunitária. Porto: Edições ASA.
Vidigal, L. (1996). Os Testemunhos Orais na Escola. História Oral e Projecto Pedagógico. Porto: ASA.
Yin, R. K. (1984). Case Study Research: Design and Methods. Newbury Park, CA: Sage Publications.
Yin, R. K. (1993). Applications of Case Study Research. Newbury Park, CA: Sage Publications.

**
Internet - http://www.monografias.com/trabalhos



23.2.07

Teatro do oprimido em Faro

Convidamos toda a gente a assistir aos resultados das Oficinas de Teatro do Oprimido que decorrem sábado e domingo nos Artistas, em Faro.
A apresentação dos trabalhos das Oficinas é feita no Bar da Sociedade Recreativa Artística Farense, vulgo "Os Artistas" na baixa de Faro, pelas 21h de domingo. A entrada é livre.

16.2.07

Voluntaria-te

(clica na imagem para aumentar)

Telefona já para os nºs do cartaz

Teatro do oprimido

Não percas esta iniciativa do Núcleo Paulo Freire do Algarve

15.2.07

Educador Comunitário precisa-se

Ainda há algum licenciado em EIC desempregado? Então estão à espera de quê? A Câmara Municipal de S. Brás vai contratar um licenciado em EIC durante 12 meses ao abrigo do programa Estágio Profissional. Entrega de candidaturas até 2ª, dia 19. Para mais informações contactar a Câmara ou ver o anúncio no "Correio da Manhã" do dia 14 passado.
Rápido.

13.2.07

Voluntariado

Ainda há 4 vagas para o Curso de Formação Geral para o Voluntariado, promovido pelo núcleo de Faro do ISU (Instituto de Solidariedade e Cooperação Universitária). Começa amanhã. Telefonem já para:
Romana Santos - 964187577

3º EIC: Prática II

Convocam-se os alunos da disciplina de Prática II para uma reunião na 5ª feira, 15 de Fevereiro, pelas 11h. na sala 99 da ESE, com vista à organização do trabalho.

O coordenador das Práticas.

12.2.07

Mudanças

O blogue do curso EIC mudou para a versão beta do Blogger. Agora é possível organizar os conteúdos por marcadores e facilitar assim a pesquisa dos assuntos, para além de outras funcionalidades. Em breve mais novidades.
Para já, consulte os horários do curso, aqui.

11.1.07

Estágio Profissional

Para os licenciados em EIC:
O Lar de Querença pretende contratar
um(a) estagiário(a) profissional a partir deste mês.
Apressem-se.
Enviem informação para margcorreia@gmail.com